5/Destaque/slider

domingo, 6 de abril de 2008

Sintonizador de estado, humano!

Nenhum comentário
=> Primeiro quero agradecer à todos que votaram na última enquete, que teve um empate de 5 à 5 entre "Boa Administração" e "Boa Música" (a pergunta era - O crescimento e o sucesso de uma banda depende de uma?). Minha opinão é que: 50% de uma boa música, 30% de uma boa administração, 15% de uma boa divulgação e 5% de Q.I. = quem indique. No nosso cenário, infelizmente, uma boa música não faz milagre, porém faz a diferença!

Bom, vamos ao tema!
Seguinte, quando viajamos com bandas, o ônibus é nossa casa. E na maioria das vezes dormindo. Como banda roda muito, tem hora que não se sabe se está perto, se já cruzou a fronteira, ou pelo menos saber em qual estado está (isso quem está viajando em cima, e não o motorista que na maioria das vezes sabe). Quando não se tem GPS, na maioria das vezes o celular acusa o estado que estamos, mas isso não é instantâneo demora um tempinho. Maaaaaaaaaaaaas, em uma das bandas que fui produtor nós contávamos com a ajuda de um integrante da banda. Vou contar sua história.

Ele era um cara muito estiloso, que gostava muito de viajar e de se relacionar. Dava uma borçada básica! Então ele onde chegava ele falava com o sotaque local. Por exemplo, quando estávamos na Bahia, ele falava baiano, em São Paulo, era um paulista puro. Então notamos que isso não acontecia só quando chegávamos nas cidades não, era imediato. Cruzou a fronteira, era só botar ele p/ falar que sabíamos. A gente fazia assim: 

Caso tivéssemos acabado de entrar no estado da Bahia:
- Fernaaaaaaaando!!!!!! (nome puramente ilustrativo)
- Que foi meu rei? Qualé di mermo!

Ceará:
- Fernaaaaaaando!!!!!
- Dxizssssss aí macho!

Que sorte essa nossa de ter um sintonizador de estado com a gente, kkkkkkkkkkkk!
Ele é meu brother e fica p..... quando falo isso!!!!!!
author profile image
Abdelghafour

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry's standard dummy text ever since the 1500s, when an unknown printer took a galley of type and scrambled it to make a type specimen book.

Nenhum comentário